O MERCADO DE TRABALHO PARA O ENVELHESCENTE

Dejanira Sobrinho Dantas Silva, Adriana Cristina Silva, Josney Freitas

Resumo


O presente trabalho busca tecer reflexões sobre a realidade dos envelhescentes que buscam uma inserção e permanência no mercado de trabalho contemporâneo e as necessidades destes para permanecerem - se atuantes no cenário atual em mercado altamente mutável. A construção histórica dos direitos dos idosos e o processo de envelhecimento populacional são determinantes nas percepções acerca da realidade desta parcela e segmento populacional, os quais buscam esclarecer a teia de relações que liga o mercado de trabalho à população envelhescente. Utilizou-se para a construção desse artigo a pesquisa bibliográfica qualitativa, a partir de obras literárias, artigos publicados, internet e revistas científicas do assunto. A pretensão do estudo foi mostrar a empregabilidade e recolocação das pessoas de idade superior a 40 anos no mercado e que podem significar um ganho para as organizações. O trabalho assume um papel importante na determinação das relações dos envelhescentes com a sociedade e também sua ligação às formas de acesso destes sujeitos ao mercado de trabalho. Que o processo de envelhecimento destes profissionais, bem como sua busca continua de desenvolvimento implica em transformações na execução do seu trabalho e na forma de se manter sua empregabilidade no mercado de trabalho atual.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDREOLA, L. S.; GOLDSHMIDT, R. Tecnológicas e a discriminação dos envelhescentes no mercado de trabalho: Anais eletrônicos do III Simpósio Internacional de Direito: dimensões materiais e eficaciais dos direitos fundamentais. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2020.

ARCURI, I. Arteterapia de corpo e alma. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

BERLINCK, M. T. A envelhescência. In: Psicopatologia Fundamental. São Paulo: Escuta, p. 193-198, 2000.

BETTENCOURT, R. Políticas para a empregabilidade: 1956 extra-colecção. Lisboa-Portugal: Conjuntura Actual Editora, 2014.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A.; SILVA, R. Metodologia Científica. São Paulo: Afiliada, 2007.

CHAVES, D. L. M. de S. Mercado de Trabalho e Discriminação Etária: A Vulnerabilidade dos Trabalhadores "Envelhescentes". São Paulo: Ltr, 2006.

CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 4 ed. São Paulo: Manole, 2014.

COLL, C.; MARCHES, Á.; PALACIOS, J. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação. Tradução Daisy Vaz de Moraes. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

DREY, E. Trabalhabilidade: Um Desafio Educacional para o Ensino Médio. Universidade do Oeste de Santa Catarina – Unoesc, Campus de Joaçaba. 2006, Pg. 10

DRUCKER, P. F. Administrando em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Pioneira, 2006.

DUTRA, J. S. – Gestão de Pessoas – Modelos, Processos, Tendências e Perspectivas:1. Ed. – 9. reimpr.- São Paulo: Atlas, 2011.

DUTRA, J. S. Administração de Carreiras. 1ª Ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FIGUEREDO, C. M. A. A Discriminação Do Homem No Mercado De Trabalho Após Os 45 Anos No Brasil. 2011. 7 f. Monografia (Especialização) - Curso de Recursos Humanos, Centro Universitário de Lins - Unilins, Lins-sp, 2011.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. reimpr. São Paulo: Atlas, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Estatísticas do Século XX. Rio de Janeiro: IBGE, 2007. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 05 de jul de 2020.

KRAUSZ, R. R. Trabalhabilidade. Editor Nobel, 1999 são Paulo. Página 16,17

LIBERAL, M. M. C. de; PUPO, M. B. Fatores de Empregabilidade Para Profissionais Acima dos 40 Anos de Idade. Revista da Pós-graduação: Administração, São Paulo, v. 2, n. 1, p.1-16, maio 2007.

LOTH, G. B.; SILVEIRA, N. Etarismo nas organizações: um estudo dos estereótipos em trabalhadores envelhescentes. 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n39p65. Acesso em 5 de Mar de 2020.

LOTH, G. B.; SILVEIRA, N. S. P. da. Estudo dos Estereótipos nos Envelhecentes Sofredores de Etarismo. In: VII ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS DA ANPAD,2012, Curitiba/pr. ENEO 2012. Curitiba/pr: Anpad, 2012. v. 1, p. 1 - 3.

MACNICOL, J. Age discrimination: an historical and contemporary analysis. Cambridge University Press, New York, 2006.

MENDES, T.M.S. Da adolescência à envelhescência: convivência entre as gerações na atualidade. Porto Alegre: Mediação, 2012. 176 p.

MINARELLI, J. A. Empregabilidade: Como entrar, permanecer e progredir no mercado de trabalho. São Paulo: Editora Gente, 2010.

NERI, A. L. Envelhecer bem no trabalho: possibilidades individuais, organizacionais e sociais. In: Revista Terceira Idade. São Paulo: SESC, 2002, v. 13, n. 24.

OLIVEIRA, K. H.; SERRA, M. M. P. A demografia organizacional de instituições de pesquisa paulistas. XXXVIII EnANPAD, 2014. Rio de Janeiro: Anais do EnAnpad. 2014. p. online.

PUPO, M. B. Empregabilidade acima dos 40 anos. Ed. Expressão e arte. São Paulo, 2005. Pg.17, 22. PUPO, M.B. Empregabilidade acima dos 40 anos. Disponível em: www.gestaoderh.com/artigos/entrevista2.asp. Acesso em jun de 2020.

SOARES, S. S. G. de S. Envelhescência: um fenômeno da modernidade à luz da psicanálise. São Paulo: Escuta, 2012.

UYEHARA, A. M. G.; CÔRTE, B. Por que contratar idosos? Um estudo de caso da Festiva. Revista Kairos, São Paulo, ano 9 n. 1, jun. 2006. p. 107-122. (2006).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.