DIREITO À EDUCAÇÃO – UM NOVO REPENSAR

Maria Helena Diniz, Déborah Regina Lambach Ferreira da Costa

Resumo


A Constituição Federal estabelece que a educação é um direito de todos e dever do Estado e da família, com a colaboração da sociedade, tendo por escopo o pleno desenvolvimento da pessoa e seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho, considerando a educação como um direito fundamental social. A educação de qualidade é um direito de todos e deve ser cobrado das instituições públicas e privadas que não podem se negar a prestá-lo invocando o princípio da reserva do possível. A educação, por ser um direito da personalidade, por estar interligado ao direito à vida, é fonte da existência humana, se inicia com o nascimento e termina com o óbito do ser humano, abrangendo ainda liberdade de pensamento, de expressão e de acesso à informação. De modo que o presente artigo fará uma incursão no tema, ressaltando a múltipla natureza do direito à educação, como direito fundamental, social e da personalidade. Discorrer-se-á acerca do método ideal para a educação: seus quatro pilares e a questão da transversalidade e da justiça restaurativa. E para a concretização de uma sociedade que convive com as diferenças, e por conseguinte, mais humana e solidária, cuidar-se-á da educação da pessoa com deficiência e seus principais parâmetros. Ressaltar-se-á a importância de se matricular a pessoa com deficiência em salas comuns de ensino, propiciando o desenvolvimento de todas as suas potencialidades. Ainda, tendo em vista a educação como direito fundamental social, abordar-se-á a educação ambiental, apontando sua importância para a sustentabilidade e para a garantia de um mundo ecologicamente equilibrado para as futuras gerações. Não se olvidará, também, da abordagem da educação corporativa na nova empresarialidade. O método empregado é a revisão bibliográfica.


Palavras-chave


educação – direito fundamental, direito da personalidade – direito social – direito subjetivo – educação ambiental – educação da pessoa com deficiência – educação sexual – educação corporativa - sustentabilidade – Problem Based Learning – prática restaura

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Marcos C.A. O novo direito empresarial do trabalho, A comarca do mundo jurídico n. 27/2009.

ARAÚJO, Ana L. V. G. Educações: prática da liberdade e da responsabilidade. Revista de direito educacional. N. 2 (2010)

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em . Acesso em: 03/08/2020

BRASIL Lei 8.069 de 13/07/1990 Dispõe sobre o Estatuto da Criança e Adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 03/03/2020

BRASIL Lei 10.172 de 09/01/2001 Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm Acesso em: 07/09/2020

BRASIL Lei 13.146 de 06/07/2015.

Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em: 14/01/2021

BRASIL Decreto 10.502 de 30/9/020 - Institui a Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2020/decreto/D10502.htm Acesso em: 14/01/2021

BRASIL Supremo Tribunal Federal. ADI nº 5357- MC – Requerente: Confederação nacional dos Estabelecimentos de Ensino – CONFENEN Ref. DF. Rel. Ministro Edson Fachin, Tribunal Pleno, julgado em 6/6/2016, DJe 11/11/2016. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4818214. Acesso em: 06/09/2020.

BRASIL Supremo Tribunal Federal ADI 6590-DF Requerente: Partido Socialista Brasileiro – PSB – Referendo na Medida Cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade - O Tribunal, por maioria, referendou a decisão liminar para suspender a eficácia do Decreto nº 10.502/2020, nos termos do voto do Relator, vencidos os Ministros Marco Aurélio e Nunes Marques. J. DJ nr. 1 do dia 08/01/202 Plenário Sessão Virtual

CANOTILHO, J.J. Gomes. Direito Constitucional e teoria da constituição. Coimbra: Almedina, 1998

CANOTILHO, J.J. Gomes. Constituição dirigente e vinculação do legislador – cotributo para a compreensão das normas constitucionais programáticas. Coimbra: Ed. Limitada, 1994 p. 364; Direito Constitucional, Coimbra: Almedina, 1993.

CIFUENTES, Carlos Lhano. Dilemas éticos de la empresa contemporânea. México, Fondo de Cultura Econômica, 2000. P. 212; BOITTEUX, Fernando N. A função social da empresa e o novo Código Civil, Revista da Faculdade de Direito da FAAP, n.2

CISOTTO, Laurindo. A formação docente continuada sobre a educação para a sexualidade, em uma escola pública no município de Diadema: a ótica de professores participantes e gestora. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Defesa em 9/12/2010. Disponível em https://tede2.pucsp.br/handle/handle/9542 Acesso em: 07/09/2020

DELORS, Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Convenção Internacional sobre Educação para o século XXI, 2a ed. São Paulo: Cortês, Brasília, 1999.

DINIZ, M.H. Curso de direito civil brasileiro, São Paulo: Saraiva, 2020, v.8

DINIZ, M.H. Bullying: responsabilidade civil por dano moral, Revista Argumentum 17: 17-43 (2016)

EBOLI, Educação corporativa no Brasil: mitos e verdades. São Paulo: Gente, 2004.

FELIZARDO, A.R. Bullying: conflito, indisciplina, justiça restaurativa e cultura da paz: um novo caminho, para ser feliz na escola?

Revista Síntese – Direito de família, 79: 70 a 74

FERREIRA, V. T. Educação ambiental: inclusão no ensino regular. Temas de Políticas Educacionais. (org Wilson J Gonçalves). Campo Grande – MS – ALJ – MS 2015

GONÇALVES, Wilson José. Políticas educacionais. Campo Grande, Mato Grosso do Sul: ALJ – MS, 2015

GONÇALVES, Wilson José. Transversalidade: políticas educativas e princípio transdisciplinar – implementação na educação. Temas de Políticas Educacionais (org. Wilson J. Gonçalves). Campo Grande, Mato Grosso do Sul: ALJ – MS, 2015

GONÇALVES, Wilson J. Função social da empresa e responsabilidade socioambiental: sustentabilidade e desenvolvimento, Atualidade empresarial, UFMS, 2007.

LOPES, Bráulio. A preservação da empresa e sua função social. MPMG, 9:59-61

HANZE, Amélia. O princípio da interdisciplinariedade da transversalidade.

HEIDEGGER, Carta sobre o humanismo, Guimarães ,1988,

HORTA, José Luiz B. Direito Constitucional da educação. Belo Horizonte: Decálogo, 2007

JACOB e SIMÃO FILHO. Educação corporativa para a sustentabilidade. Revista de Direito Educacional, n. 2 (2010)

LIMA, Natália M de. Gestão da disciplina: integração família-criança-escola. Temas de políticas educacionais. (org. Wilson J Gonçalves. Campo Grande: Mato Grosso do Sul, ALJ-MS)

MENDONÇA, Larissa Querem Tavares Direito e Dever do Estado e da família em matéria de orientação sexual. Revista âmbito Jurídico. Disponível em https://ambitojuridico.com.br/cadernos/eca/direito-e-dever-do-estado-e-da-familia-em-materia-de-orientacao-sexual/

MILARÉ, Edis. Tutela jurisdicional do meio ambiente, Revista do Advogado, 37: 7-8

MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil interpretada. São Paulo: Atlas, 2020

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortes, 2000.

MUNIZ, Regina M. Fonseca. O direito à educação. Rio de Janeiro: Renovar, 2002

PELICIONI e PHILLIPI JR, Bases políticas, conceituais, filosóficas e ideológicas da educação ambiental, Educação ambiental e sustentabilidade. São Paulo: Manole, 2005.

PEREIRA JR, Antônio Jorge. No gerenciamento do poder familiar in Direito à privacidade (coord. Ives Gandra Martins Filho, Antônio Jorge Monteiro Jr.) São Paulo: Aparecida, 2005.

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olímpio, 1973 p. 35-40

RODRIGUES DO AMARAL, A.C. Compreendendo a realidade para transformar o futuro, São Paulo, Magister, 2021

SAMPAIO, Cristiane; SAMPAIO, Sônia. Educação inclusiva: o professor mediando para a vida. Salvador: EDUFBA, 2009.

SELAM, Isabel C.L. Educação em ambiente corporativo: como as metodologias ativas combinadas com a utilização das novas tecnologias podem contribuir para a obtenção de resultados eficazes na formação de adultos; Revista da magistratura da TRF-4, v. 11, p. 345 e 356.

SIMÃO FILHO, A nova empresarialidade, Revista IASP, 18, p 5-44

NEVARES, Ana Luiza Maia e SCHREIBER, Anderson. Do sujeito à pessoa: uma análise da incapacidade civil Revista Quaestio Iuris vol. 09, no. 03, Rio de Janeiro, 2016. pp. 1545-1558 DOI: 10.12957/rqi.2016 p. 1553.

ONU – Convenção sobre os Direitos das pessoas com deficiência de 13/12/2006. Disponível em: http://www.pcdlegal.com.br/convencaoonu/wp-content/themes/convencaoonu/downloads/ONU_Cartilha.pdf. Acesso em 07/09/2020

ONU – Normas sobre equiparação de oportunidade para pessoas com deficiência. 1993. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000139394_por Acesso em: 07/09/2020

UNESCO Orientações técnicas de educação em sexualidade para o cenário brasileiro: tópicos e objetivos de aprendizagem. Brasília: UNESCO, 2013. 53 p. http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/FIELD/Brasilia/pdf/Orientacoes_educacao_sexualidade_Brasil_preliminar_pt_2013.pdf

UNESCO Orientações técnicas internacionais de educação em sexualidade. Uma abordagem baseada em evidências. 2ª edição. Publicado em 2019 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), 7, Place de Fontenoy, 75352 Paris 07 SP, França, e a Representação da UNESCO no Brasil Secretariado do UNAIDS, 20, Avenue Appia, CH-1211 Genebra 27, Suíça. https://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/369308por.pdf).

WOLFGANG e outros. (org) Direitos fundamentais: orçamento e reserva do possível. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2008. P. 30),




DOI: http://dx.doi.org/10.25245/rdspp.v9i1.989

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


               Revista associada à Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC)

Associação Brasileira de Editores Científicos – ABEC


Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas (UNIFAFIBE)

ISSN 2318-5732